A nova auto-imagem corporal

Com este post o blog comemora 2 anos no ar!

Bexigas - fonte: Google Imagens

E por que não perguntar aos leitores sobre o que gostariam de ler? E foi o que fiz. E num áudio de WhatsApp um tópico me chamou a atenção, e ele me levou direto ao início das minhas pesquisas sobre obesidade, pois foi tema da minha monografia na Especialização em Psicologia Hospitalar.

O pedido veio no desabafo “Após a cirurgia bariátrica me dizem ‘pare de emagrecer, senão vai ficar feia!’; a gente sempre vai escolher roupa e pega o número que usava antes”.

Em 2009 escrevi a monografia “A importância da auto-imagem corporal no tratamento da obesidade e manutenção de um peso saudável”, pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC).

Na pesquisa abordo justamente a transição do corpo gordo para o corpo magro, e qual o impacto psicológico dessa transição; muitas pessoas que emagrecem não conseguem se visualizar magras, e acabam comprando as roupas novas na numeração que usavam antes, pois não se reconhecem magras. A atualização da auto-imagem corporal favorece o emagrecimento e ajuda a manter o peso saudável, evitando o novo ganho de peso.

Lá eu não abordei a frase “pare de emagrecer, senão vai ficar feia!”, mas realmente ela é dita sempre. Do que as pessoas têm medo? De que o ex-obeso vá evaporar e ficar apenas com o corpo etéreo? Acho que a medicina ainda não descreveu nenhum caso assim, de evaporamento – só a Mitologia Grega. Mas a infeliz frase tem um impacto negativo na atualização da auto-imagem corporal. Se emagrecer é ficar feio/a, por que permanecer magro, então? A nível consciente, é apenas uma luta, tipo a letra da música que diz “nadando contra a corrente, só para exercitar”. Mas e o impacto inconsciente?

Essa frase ativa o complexo de feiura e também bagunça a auto-estima. Fica a ambivalência “caramba, eu emagreci, me acho um pitel, mas será mesmo que vou ficar mais feio/a?”. A pessoa que está buscando o peso saudável, menor sudorese, menos constrangimentos ao caber em lugares e roupas, também tem que lidar com o sentir-se desejado/a, atrelado à perda de peso. Ok, tem os gordinhos gostosos, as gordinhas gostosas, não estou falando disso. Estou falando da luta que é dentro da cabeça do obeso diante da sexualidade, dos conflitos, desejos, aceitações e rejeições.

Atualmente parece que há uma corrente que praticamente obriga o obeso a se conformar com a obesidade e sentir-se gostoso assim. Quando manifesta o desejo de emagrecer, ativistas contra o padrão de beleza surgem. Ao obeso é praticamente negada a chance de emagrecer, e assim sentir-se desejado, afinal, é preciso lutar contra o padrão magro que impõe beleza. Magreza extrema não é saudável, e a obesidade, muito menos.

A sociedade não é bem resolvida nem com a magreza nem com a obesidade. Quer dizer, o gordo não pode emagrecer, muito menos querer emagrecer, pois já vem o sermão do “padrão magro de beleza”. Ok, as modelos anoréxicas já não são mais contratadas na maioria das vezes. Estatisticamente quantos anoréxicos tem no mundo? E quantos obesos? Quais os males da anorexia? E da obesidade? Quantos obesos se tornaram anoréxicos? Apesar de termos mais obesos que anoréxicos, ambas as situações devem ser vistas. Nenhum extremo é bom.

Mas parece que sempre que abordamos o emagrecimento aparecem pessoas para comparar peso x quantidade de livros lidos; emagrecimento x esqualidez.

O obeso precisa de reeducação alimentar, assim como o anoréxico. E a auto-imagem corporal funciona assim: o obeso pode se ver gordo ou magro (estando obeso); o bulímico pode se ver gordo ou magro (estando magro ou obeso); o anoréxico se vê gordo (estando literalmente pele e osso); a distorção na auto-imagem é patológica, mostra uma não integração do ego, e frases infelizes podem dificultar a atualização da auto-imagem corporal.

Apesar do ambiente ter muita influência e impacto nos nossos complexos, na criação, ativação/constelação deles, podemos refletir sobre a frase de Carl G. Jung: “Quem olha para fora sonha, quem olha pra dentro desperta”. Vamos buscar a nossa força interior para conquistar nossos objetivos.

Bon appétit!

Compartilhe:

Esta entrada foi publicada em Carl Jung, Cirurgia bariátrica, Emagrecimento, Psicologia e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *